Recuperação e Aplicação do Dicromato de Potássio Proveniente do Resíduo de Sulfocrômica

Thallis M. Souza, Adelir Aparecida Saczk, Zuy Maria Magriotis, Robson Augusto Pereira, Felipe M. Pinto, Adrielly F. F. Ferreira, Thais C. Andrade

Resumo


Um procedimento simples para a recuperação do dicromato de potássio (K2Cr2O7) a partir do tratamento da solução residual de sulfocrômica foi proposta neste trabalho por meio do processo de cristalização por refrigeração. A diminuição da temperatura favoreceu a cristalização do K2Cr2O7 devido à diminuição da solubilidade. Foram tratados 5,0 L de resíduo de sulfocrômica com concentração de 48,08 g L-1 de Cr(VI) e a cristalização foi realizada em três etapas até que não houvesse mais a formação dos cristais. Em cada etapa foram determinadas as concentrações de Crtotal por espectrometria de absorção atômica de chama e Cr(VI) pelo método espectrofotométrico com 1,5-difenilcarbazida, o que resultou na remoção de 91% e 92% de Crtotal e Cr(VI), respectivamente.  Após a última etapa, o Cr(VI) remanescente na solução foi reduzido a Cr(III) pela adição de NaHSO3, recuperando via precipitação em pH 8 cerca de 36,13 g de Cr(OH)3. O sobrenadante final foi descartado, pois as concentrações de cromo estavam abaixo do limite máximo estabelecido pela legislação brasileira para lançamento de efluentes, que são de 0,10 e 1,0 mg L-1 de Cr(VI) e Cr(III), respectivamente. 628,4 g de K2Cr2O7 foram recuperados e o sal caracterizado por difratometria de raio-X e análise térmica diferencial. Foi comparada sua aplicabilidade frente ao K2Cr2O7 padrão, na determinação de matéria orgânica em solo, na qual não houve diferença significativa, inferindo que o composto recuperado pode ser incorporado nas análises de rotina. Este processo de recuperação permitiu a reutilização do K2Cr2O7, reduzindo custos com a aquisição de novos reagentes e os impactos ambientais pelo descarte inadequado de soluções contendo sulfocrômica.

 

DOI: 10.5935/1984-6835.20140031


Palavras-chave


Resíduo químico; especiação; cristalização por refrigeração; matéria orgânica em solo.

Texto completo:

PDF


Creative Commons License
A Revista Virtual de Química está licenciada sob as condições do Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Compartilhamento pela mesma Licença 2.5 Brasil License. Sob esta licença, a RVQ permite que seu conteúdo seja copiado, distribuído, exibido e executado desde que os devidos créditos à Revista e aos autores sejam dados. Contudo, o usuário não poderá utilizar o conteúdo com finalidades comerciais, a menos que obtenha permissão da Editoria da Revista.
Visitantes Online