Análise de Borra Oleosa de Petróleo Proveniente do Separador Água e Óleo

Cícero S. Lima, Regineide O. Lima, Edjane Fabiula B. Silva, Késia Kelly V. Castro, Osvaldo Chiavone Filho, Sandra A. Soares, Antônio S. Araújo

Resumo


As borras oleosas são formadas durante as operações de produção, transporte, armazenamento e na refinaria de petróleo. A análise elementar foi realizada com amostras de borra oleosa de petróleo coletadas no Estado do Rio Grande do Norte. Para o elemento carbono e o hidrogênio foram observadas pequenas diferenças entre os mesmos, mas para o elemento oxigênio foram observadas diferenças maiores entre as amostras de borra. As mesmas apresentaram diferenças na composição química da parte inorgânica e orgânica. A borra do separador água e óleo (SAO) 2 apresentou uma elevada quantidade de óleo (94,88%), essa pode ser considerada um resíduo de elevado valor agregado para a indústria de petróleo. Nas análises de saturados, aromáticos, resinas e asfaltenos (SARA), a borra do descarrego apresentou uma elevada quantidade de saturados. O material inorgânico separado da borra do SAO 2 foi caracterizado e apresentou muito enxofre (41,57%). As borras analisadas apresentaram elevado valor de componentes orgânicos, logo esse material pode ser tratado e reprocessado em unidades de processos na indústria de petróleo.

 

DOI: 10.5935/1984-6835.20140076


Palavras-chave


Borra Oleosa; Petróleo; Degradação; Resíduo; Meio Ambiente.

Texto completo:

PDF

Comentários sobre o artigo

Visualizar todos os coment?rios


Creative Commons License
A Revista Virtual de Química está licenciada sob as condições do Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Compartilhamento pela mesma Licença 2.5 Brasil License. Sob esta licença, a RVQ permite que seu conteúdo seja copiado, distribuído, exibido e executado desde que os devidos créditos à Revista e aos autores sejam dados. Contudo, o usuário não poderá utilizar o conteúdo com finalidades comerciais, a menos que obtenha permissão da Editoria da Revista.
Visitantes Online