Distribuição e Fracionamento de Metais em Sedimentos de Manguezais do Estuário do Rio Tibiri na Ilha do Maranhão

Gilmar S. da Silva, Adriana S. do Nascimento, Eliane R. de Sousa, Edmar P. Marques, Aldalea L. B. Marques, Luciana B. Corrêa, Gilberto S. da Silva

Resumo


Diretrizes de qualidade de sedimentos e o protocolo de extração química sequencial da Comissão Europeia foram aplicados para a avaliação de Cd, Cr, Cu, Ni, Pb e Zn em sedimentos de manguezais do Rio Tibiri na Ilha do Maranhão. As concentrações dos metais foram determinadas usando a espectrometria de emissão óptica com plasma indutivamente acoplado (ICP OES). Os resultados demonstraram que os níveis de metal estavam abaixo do TEL (threshold effect level) e ERL (effect range low), faixas associadas à efeitos biológicos adversos ocasionais para a vida aquática. A mobilidade dos metais na ordem decrescente foi: Ni (24%) > Zn (20,6%) > Cu (14,5%) > Pb (1,9%). Exceto para Ni e Zn, outros metais não foram encontrados na fração trocável/ácido solúvel (F1). Os metais Ni, Zn e Cu estavam presentes na fração redutível (F2). A maior porcentagem de metal estava associada à fração oxidável (F3) e fração residual (F4). Neste último, a porcentagem de metal variou 76-100%, o que sugere um impacto inexpressivo de atividades antropogênicas.

 

DOI: 10.5935/1984-6835.20140023


Palavras-chave


Protocolo BCR; estuário; manguezal; Amazônia.

Texto completo:

PDF


Creative Commons License
A Revista Virtual de Química está licenciada sob as condições do Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Compartilhamento pela mesma Licença 2.5 Brasil License. Sob esta licença, a RVQ permite que seu conteúdo seja copiado, distribuído, exibido e executado desde que os devidos créditos à Revista e aos autores sejam dados. Contudo, o usuário não poderá utilizar o conteúdo com finalidades comerciais, a menos que obtenha permissão da Editoria da Revista.
Visitantes Online