Extração em fase aquosa como procedimento de preparo de amostras para a determinação de sódio em alimentos infantis

Francisca Graciele Gomes Pedro, Ricardo Dalla Villa, Adriana Paiva de Oliveira

Resumo


Este trabalho objetivou desenvolver um procedimento de preparo de amostras, empregando a extração em fase aquosa, para a determinação de sódio (Na) em salgadinhos de trigo, salgadinhos de milho, papinhas industrializadas para bebês e macarrão instantâneo. As etapas incluíram extração com água ultrapura, agitação por vortex, centrifugação e quantificação do Na por fotometria de chama. A exatidão e a precisão foram avaliadas por testes de adição e recuperação, comparação com decomposição úmida, método de Mohr e uso de um diferente instrumento. O teste de Youden foi utilizado na avaliação da robustez, com a massa da amostra, força centrífuga relativa e tempo de agitação como variáveis. Diferenças significativas foram observadas (p ≤ 0,05) em comparação com o método Mohr e outro instrumento para as papinhas para bebês e macarrão instantâneo. Essas diferenças foram atribuídas à maior sensibilidade da fotometria de chama e erros instrumentais. As recuperações variaram entre 84-119% para fotometria de chama e 89-108% para o método Mohr, com desvios padrão relativos inferiores a 11%. O tempo de agitação e a força centrífuga relativa tiveram um efeito positivo na robustez. O desempenho do procedimento foi verificado em várias amostras de alimentos, com valores na faixa de 129 a 300 mg Na / 25 g de salgadinhos de trigo e de milho, respectivamente; 1,5 a 81 mg Na / 115 g de papinhas para bebês e 1118 a 1962 mg Na / 85 g de macarrão instantâneo. Foi observada discrepância entre os valores obtidos e rotulados. Nesse contexto, o procedimento de extração de fase aquosa desenvolvido fornece uma alternativa simples, de baixo custo e livre de reagentes tóxicos aos métodos tradicionais de quantificação de Na em alimentos com diferentes concentrações.


Palavras-chave


espectrometria de emissão atômica em chama, alimentos infantis, minerais, cloreto de sódio.



Creative Commons License
A Revista Virtual de Química está licenciada sob as condições do Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Compartilhamento pela mesma Licença 2.5 Brasil License. Sob esta licença, a RVQ permite que seu conteúdo seja copiado, distribuído, exibido e executado desde que os devidos créditos à Revista e aos autores sejam dados. Contudo, o usuário não poderá utilizar o conteúdo com finalidades comerciais, a menos que obtenha permissão da Editoria da Revista.
Visitantes Online