Pré-tratamento químico e eletroquímico para eletrodos de platina policristalina e análise de substâncias interferentes

Carla Bandeira Emiliano

Resumo


A literatura apresenta diversas metodologias para retirada de interferentes adsorvidos à superfície do eletrodo de platina policristalina, as quais utilizam reagentes de alta toxicidade ao ser humano. Em vista disso, foi desenvolvida uma metodologia para o pré-tratamento do policristal de platina e das vidrarias de trabalho utilizando soluções menos nocivas ao ser humano e ao ambiente. Todos os materiais devem ficar imersos por 12 h em KMnO4 1% para retirada de interferentes orgânicos; posteriormente, deve-se enxaguar com água ultrapura e H2O2 5% acidificado. Na sequência, deve-se utilizar um banho em HNO3 5% para eliminar contaminantes metálicos e, por fim, realizar uma voltametria cíclica em H2SO4 entre os potenciais de evolução de H2 e O2 para avaliar o perfil voltamétrico. A metodologia é eficiente, já que a área superficial real do eletrodo de trabalho aumentou em cerca de 8 vezes quando comparada ao eletrodo sem tratamento. No trabalho também são discutidas as fontes de interferência e perturbações no voltamograma cíclico oriundas da própria metodologia.

Palavras-chave


Área eletroativa; sítios ativos livres; metodologia de limpeza; interferentes orgânicos; interferentes metálicos.



Creative Commons License
A Revista Virtual de Química está licenciada sob as condições do Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Compartilhamento pela mesma Licença 2.5 Brasil License. Sob esta licença, a RVQ permite que seu conteúdo seja copiado, distribuído, exibido e executado desde que os devidos créditos à Revista e aos autores sejam dados. Contudo, o usuário não poderá utilizar o conteúdo com finalidades comerciais, a menos que obtenha permissão da Editoria da Revista.
Visitantes Online