Remoção de Cu(II), Zn(II) e Ni(II) utilizando resíduo de açaí (Euterpe oleracea Mart.) como biossorvente em solução aquosa

Luciane da Rocha de Lima, Orlandina Ferreira da Costa, Bianca Silva da Fonseca Alves, Kelly das Graças Fernandes Dantas, Vanda Porpino Lemos, Marta Helena Tavares Pinheiro

Resumo


A remoção de íons de metais de transição, como Cu(II), Zn(II) e Ni(II) em meio aquoso, foi investigado utilizando resíduo de açaí (Euterpe oleracea Mart.) como biossorvente. A caracterização da amostra foi efetuada por meio de análise de imagem MEV/EDS e pHPCZ. A capacidade de adsorção do biossorvente foi avaliada em ensaios em batelada e a influência do pH, do tempo de contato e da concentração inicial foram estudadas. O processo de adsorção foi estudado pelos modelos de isotermas de Langmuir e Freundlich. Os modelos cinéticos de pseudo-primeira ordem e pseudo-segunda ordem foram considerados na interpretação dos dados experimentais. A capacidade máxima de adsorção determinada foi 15,77, 24,69 e 3,30 mg g-1 para os íons Cu(II), Zn(II) e Ni(II), respectivamente. A cinética de adsorção foi melhor descrita pelo modelo de pseudo segunda ordem. O processo de adsorção dos íons Cu(II), Zn(II) e Ni(II) é favorável e espontâneo. Os resultados obtidos demonstram que o resíduo do açaí pode ser usado para remoção de metais tóxicos a partir de efluentes aquosos, sob as condições otimizadas.


Palavras-chave


íons de metais de transição; açaí; biossorvente.



Creative Commons License
A Revista Virtual de Química está licenciada sob as condições do Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Compartilhamento pela mesma Licença 2.5 Brasil License. Sob esta licença, a RVQ permite que seu conteúdo seja copiado, distribuído, exibido e executado desde que os devidos créditos à Revista e aos autores sejam dados. Contudo, o usuário não poderá utilizar o conteúdo com finalidades comerciais, a menos que obtenha permissão da Editoria da Revista.
Visitantes Online