Fruto da Aroeira (Schinus terebinthifolius Raddi): Composição química e capacidade antioxidante

Tatiana Saldanha

Resumo


A inserção de fontes naturais de compostos bioativos na dieta humana é essencial para a prevenção de diversas doenças degenerativas e crônicas. Desta forma, este estudo caracterizou a composição química e determinou a capacidade antioxidante do fruto da aroeira (Schinus terebinthifolius Raddi). Os ácidos graxos mais representativos foram os ácidos oleico (34,51 ± 0,50 g/100 g), palmítico (24,53 ± 0,38 g/100 g) e linoleico (17,58 ± 0,09 g/100 g). Fitosteróis como o ?-sitosterol, estigmasterol e campesterol foram identificados, apresentando maiores conteúdos de ?-sitosterol (166,70 ± 8,44 mg/100 g). O teor de fenólicos totais foi 13,06 ± 0,76 mg AGE/g dry sample. Além disso, o extrato da aroeira apresentou potencial antioxidante para os ensaios de DPPH, FRAP e ABTS. Assim, estes resultados destacam os frutos de Schinus terebinthifolius Raddi como fonte promovedora de saúde, apresentando componentes funcionais e propriedades antioxidantes

Palavras-chave


Schinus terebinthifolius Raddi, ácidos graxos, fitosteróis, capacidade antioxidante.



Creative Commons License
A Revista Virtual de Química está licenciada sob as condições do Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Compartilhamento pela mesma Licença 2.5 Brasil License. Sob esta licença, a RVQ permite que seu conteúdo seja copiado, distribuído, exibido e executado desde que os devidos créditos à Revista e aos autores sejam dados. Contudo, o usuário não poderá utilizar o conteúdo com finalidades comerciais, a menos que obtenha permissão da Editoria da Revista.
Visitantes Online