Estudo de pré-concentração em fase sólida do lornoxicam: um provável futuro poluente emergente

Suéllen Fabrícia Lima do Nascimento, Wanderson Amaral da Silva, Wagner Felippe Pacheco, Taíssa da Silva Cabral

Resumo


Lornoxicam (Lx) é um medicamento antiinflamatório não esteroidal (AINE) pertencente à classe dos oxicanos.
Esta classe de fármacos está atualmente entre os poluentes ambientais mais comumente detectados, em concentrações
que variam da faixa de µg a ng L-1, sendo de grande preocupação devido aos seus potenciais efeitos e impactos nos
organismos vivos. Neste contexto, este estudo teve como objetivo desenvolver uma metodologia analítica para quantificar
Lx em água de abastecimento. A metodologia compreende uma etapa de pré-concentração do analito através da aplicação
da extração em fase sólida (EFS). Neste passo, o cartucho de EFS contendo o sorvente comercializado sob o nome de
Strata X foi carregado com até 2 L de uma solução aquosa de Lx, com massa de 60 mg, permitindo um fator de
concentração de 400 vezes. A quantificação foi realizada por voltametria adsortiva de redissolução no modo de pulso
diferencial. A conjugação de voltametria com o método EFS levou a um limite de detecção de 0,12 μg L-1 e um limite de
quantificação de 0,40 μg L-1, com alta seletividade, precisão (<2,50%) e precisão (recuperação média de 96,90 3,90%, n =
9). Não foi detectado lornoxicam nas amostras analisadas.

Palavras-chave


NSAID; poluente emergente; abastecimento de água; voltametria.



Creative Commons License
A Revista Virtual de Química está licenciada sob as condições do Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Compartilhamento pela mesma Licença 2.5 Brasil License. Sob esta licença, a RVQ permite que seu conteúdo seja copiado, distribuído, exibido e executado desde que os devidos créditos à Revista e aos autores sejam dados. Contudo, o usuário não poderá utilizar o conteúdo com finalidades comerciais, a menos que obtenha permissão da Editoria da Revista.
Visitantes Online