Floresta da Tijuca: uma floresta urbana no Antropoceno

Graciela Arbilla

Resumo


O registro mais antigo do impacto humano na Mata Atlântica é a chamada cultura sambaqui que se remonta há 5 a 8 mil anos. Contudo, a deflorestação massiva deste bioma começou no ano de 1500 com a chegada dos colonizadores portugueses. A Floresta da Tijuca, uma área protegida dentro do Parque Nacional da Tijuca, que é um remanescente da Mata Atlântica, está localizada no coração da cidade do Rio de Janeiro e é considerada uma das maiores florestas urbanas do mundo. A Floresta da Tijuca foi o primeiro empreendimento de reflorestamento da Mata Atlântica e foi encomendado por Dom Pedro II para proteger as nascentes de água doce. Nesta revisão é abordada a história da Mata Atlântica e da Floresta da Tijuca desde o ponto de vista da Época do Antropoceno. Posteriormente são discutidos os estudos de qualidade do ar realizados dentro da Floresta da Tijuca e a importância da vegetação na mitigação dos poluentes e das concentrações de CO2. Também são discutidas outras iniciativas como o Mutirão Reflorestamento e os projetos de reintrodução de fauna nativa. O esforço pioneiro para restabelecer a floresta nativa e os atuais projetos, mostram ao mundo como áreas degradadas podem ser recuperadas e são uma esperança para o futuro do Sistema Terra



Creative Commons License
A Revista Virtual de Química está licenciada sob as condições do Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Compartilhamento pela mesma Licença 2.5 Brasil License. Sob esta licença, a RVQ permite que seu conteúdo seja copiado, distribuído, exibido e executado desde que os devidos créditos à Revista e aos autores sejam dados. Contudo, o usuário não poderá utilizar o conteúdo com finalidades comerciais, a menos que obtenha permissão da Editoria da Revista.
Visitantes Online