Dos predadores pré-históricos aos contaminantes emergentes atuais: uma história de ameaças à humanidade

Cassiana Carolina Montagner

Resumo


Quantos são os medos? No neolítico, os grandes animais causavam medo; utilizando artefatos rochosos, aprendemos a nos defender deles e a caçá-los. Com o passar do tempo e o avanço da Ciência, aprendemos que microrganismos podiam provocar doenças, às vezes fatais. Vacinas e remédios passaram então a desempenhar a mesma função dos artefatos pré-históricos. Nos dias atuais, sabe-se que moléculas de poluentes, com dimensões ainda menores que microrganismos, podem ser letais, a depender da quantidade e da toxicidade apresentada por determinado organismo. Esse artigo articula fatos e tenta revelar quão importante é estarmos preparados para enfrentar os agentes causadores de doenças agudas ou crônicas, e entendermos o papel dos contaminantes emergentes no mundo atual e futuro, visando implementar estratégias para removê-los ou idealmente eliminá-los do ambiente. A partir da análise de casos históricos, propõe-se uma nova atitude frente aos desafios impostos no mundo atual, ao sugerir estratégias de curto, médio e longo prazo para evitar a contaminação de importantes recursos hídricos e possibilitar melhores condições de vida às pessoas



Creative Commons License
A Revista Virtual de Química está licenciada sob as condições do Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Compartilhamento pela mesma Licença 2.5 Brasil License. Sob esta licença, a RVQ permite que seu conteúdo seja copiado, distribuído, exibido e executado desde que os devidos créditos à Revista e aos autores sejam dados. Contudo, o usuário não poderá utilizar o conteúdo com finalidades comerciais, a menos que obtenha permissão da Editoria da Revista.
Visitantes Online