As Formulações de Tintas Expressivas Através da História

Vinicius M. Mello, Paulo A. Z. Suarez

Resumo


O artigo descreve os principais desenvolvimentos tecnológicos e seus reflexos na formulação de tintas para arte, conhecidas como tintas expressivas. Inicialmente o homem usou óxidos e hidróxidos de metais em pinturas rupestres relacionadas a atividades corriqueiras como a caça, pesca, coleta de frutos, guerras e sexo. Posteriormente, com as primeiras civilizações foram desenvolvidas as tintas Aquarela, Guache, Nanquim e Tempera, que em conjunto com novos pigmentos sintéticos foram a base da produção artística por milênios. No século XV, estudos com óleos vegetais proporcionaram o desenvolvimento das primeiras Tintas a Óleo, que ao serem assimiladas por pintores renascentistas foram importantes para a criação de grandes obras de arte. Com o desenvolvimento da petroquímica no século XX houve uma revolução no mercado de tintas, com o surgimento das Tintas Acrílicas que passaram a ser muito usadas por um grande número de artistas.

 

DOI: 10.5935/1984-6835.20120002


Palavras-chave


Aquarela; Guache; Nanquim; Tempera; Tintas a Óleo; Tintas Acrílicas.

Texto completo:

PDF


Creative Commons License
A Revista Virtual de Química está licenciada sob as condições do Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Compartilhamento pela mesma Licença 2.5 Brasil License. Sob esta licença, a RVQ permite que seu conteúdo seja copiado, distribuído, exibido e executado desde que os devidos créditos à Revista e aos autores sejam dados. Contudo, o usuário não poderá utilizar o conteúdo com finalidades comerciais, a menos que obtenha permissão da Editoria da Revista.
Visitantes Online