Arcabouços de quitosana - propriedades físico-químicas e biológicas para o reparo ósseo

Ana Emília Holanda Rolim, Flávio Augusto Carvalho, Rhyna Carla Cunha Costa, Fabiana Paim Rosa

Resumo


A quitosana é um polímero versátil, cuja aplicabilidade no reparo ósseo tem sido amplamente investigada. As principais propriedades biológicas desse polímero estão relacionadas à sua biocompatibilidade, à degradação lenta e à biorreabsorção controlada. Apresenta também bioatividade na indução ou estimulação de osteoblastos, ação antimicrobiana, antifúngica, hemostática e angiogênica. Em razão de suas características, podem integrar a sua estrutura os polieletrólitos aniônicos, os polímeros e proteínas, o que possibilita a obtenção de diferentes biomateriais com propriedades, aplicações e formas de apresentação distintas. Quando utilizada sob a forma de matriz tridimensional (3D), atua como arcabouço físico para a regeneração tecidual, pela migração, adesão e proliferação das células ósseas. Sua estrutura polimérica e seus atributos físico-químicos permitem o aprimoramento de suas propriedades bioativas por meio da adição de compósitos, células ou fatores de crescimento. E assim, na medida em que há aprimoramento na microestrutura molecular da quitosana, há modificações nas suas propriedades como biomaterial de referência na bioengenharia tecidual óssea. Dentre as características modificáveis desses biomateriais à base de quitosana, destacam-se a resistência mecânica, topografia superficial, hidrofilia, elasticidade, porosidade, interconectividade, biodegradação, massa molar e seu pH. Este trabalho, portanto, tem como objetivo abordar os principais aspectos, micro e macroestruturais, relativos à estrutura da quitosana no reparo tecidual ósseo, assim como seu impacto sobre o comportamento biológico de matrizes tridimensionais, quando utilizadas de forma isolada ou associadas a outros biomateriais na medicina regenerativa.

Palavras-chave: quitosana, biomaterial, Bioengenharia Tecidual, reparo ósseo, matriz tridimensional, arcabouço.

 A quitosana é um polímero versátil, cuja aplicabilidade no reparo ósseo tem sido amplamente investigada. As principais propriedades biológicas desse polímero estão relacionadas à sua biocompatibilidade, à degradação lenta e à biorreabsorção controlada. Apresenta também bioatividade na indução ou estimulação de osteoblastos, ação antimicrobiana, antifúngica, hemostática e angiogênica. Em razão de suas características, podem integrar a sua estrutura os polieletrólitos aniônicos, os polímeros e proteínas, o que possibilita a obtenção de diferentes biomateriais com propriedades, aplicações e formas de apresentação distintas. Quando utilizada sob a forma de matriz tridimensional (3D), atua como arcabouço físico para a regeneração tecidual, pela migração, adesão e proliferação das células ósseas. Sua estrutura polimérica e seus atributos físico-químicos permitem o aprimoramento de suas propriedades bioativas por meio da adição de compósitos, células ou fatores de crescimento. E assim, na medida em que há aprimoramento na microestrutura molecular da quitosana, há modificações nas suas propriedades como biomaterial de referência na bioengenharia tecidual óssea. Dentre as características modificáveis desses biomateriais à base de quitosana, destacam-se a resistência mecânica, topografia superficial, hidrofilia, elasticidade, porosidade, interconectividade, biodegradação, massa molar e seu pH. Este trabalho, portanto, tem como objetivo abordar os principais aspectos, micro e macroestruturais, relativos à estrutura da quitosana no reparo tecidual ósseo, assim como seu impacto sobre o comportamento biológico de matrizes tridimensionais, quando utilizadas de forma isolada ou associadas a outros biomateriais na medicina regenerativa.

Palavras-chave: quitosana, biomaterial, Bioengenharia Tecidual, reparo ósseo, matriz tridimensional, arcabouço.

 


Palavras-chave


quitosana, biomaterial, Bioengenharia Tecidual, reparo ósseo, matriz tridimensional, arcabouço; grau de desacetilação



Creative Commons License
A Revista Virtual de Química está licenciada sob as condições do Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Compartilhamento pela mesma Licença 2.5 Brasil License. Sob esta licença, a RVQ permite que seu conteúdo seja copiado, distribuído, exibido e executado desde que os devidos créditos à Revista e aos autores sejam dados. Contudo, o usuário não poderá utilizar o conteúdo com finalidades comerciais, a menos que obtenha permissão da Editoria da Revista.
Visitantes Online