Ativação Redox como Estratégia para o Desenvolvimento de Novos Fármacos Aplicados ao Tratamento de Câncer

Marcos Vinícius P. de Mello, Mauricio Lanznaster

Resumo


Processos redox vêm sendo explorados no desenvolvimento de fármacos voltados ao tratamento de diversas doenças, dentre elas, o câncer. Alguns tipos de câncer geram tumores sólidos que possuem uma vascularização deficiente, o que leva a geração de ambientes hipóxicos que, por sua vez, limitam a eficácia tanto da radio quanto da quimioterapia. Essas regiões apresentam uma maior capacidade redutora quando comparada aos tecidos normóxidos. Assim, substâncias capazes de circular intactas pelo organismo podem ser seletivamente reduzidas e ativadas ao atingirem regiões hipóxicas do tumor, tornando-se citotóxicas. Com base nessa estratégia, cinco classes de Pró-Drogas Ativadas por Hipóxia (PDAHs) são descritas na literatura e incluem nitro(hetero)ciclos (p. ex. mostardas nitrogenadas e os nitroimidazóis), N-óxidos aromáticos, N-óxidos alifáticos, quinonas  e complexos de metais de transição. Nesta revisão são abordados alguns avanços no desenvolvimento de PDAHs, com foco na relação entre as propriedades redox e atividade biológica.

 

DOI: 10.5935/1984-6835.20150104


Palavras-chave


Hipóxia; pró-droga ativada por hipóxia; complexos metálicos; propriedades redox; câncer; antitumorais; reações redox.

Texto completo:

PDF


Creative Commons License
A Revista Virtual de Química está licenciada sob as condições do Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Compartilhamento pela mesma Licença 2.5 Brasil License. Sob esta licença, a RVQ permite que seu conteúdo seja copiado, distribuído, exibido e executado desde que os devidos créditos à Revista e aos autores sejam dados. Contudo, o usuário não poderá utilizar o conteúdo com finalidades comerciais, a menos que obtenha permissão da Editoria da Revista.
Visitantes Online