Estado Sólido na Indústria Farmacêutica: Uma Breve Revisão

Livia D. Prado, Helvécio Vinícius A. Rocha

Resumo


Muitos fármacos comercializados consistem em cristais moleculares devido a razões de estabilidade e para facilitar o manuseio durante o desenvolvimento. Sólidos farmacêuticos podem existir em diferentes formas. O arranjo das moléculas no cristal determina as suas propriedades físicas, influencia a formulação, assim como a taxa de dissolução e estabilidade. Diversos exemplos são relatados para demonstrar a importância do impacto do polimorfismo em propriedades que podem alterar a qualidade do produto final. Uma compreensão completa das relações entre as estruturas físicas e as propriedades dos sólidos farmacêuticos é, portanto, importante na escolha da forma mais apropriada. Nesta revisão, as diferentes formas cristalinas de fármacos, as técnicas de análise de estado sólido comumente utilizadas e as vantagens e desvantagens de cada técnica são discutidas. De forma mais detalhada é exposto o impacto das formas sólidas em nível galênico.

 

DOI: 10.5935/1984-6835.20150123


Palavras-chave


Polimorfismo; fármaco; técnicas analíticas; biodisponibilidade; estabilidade; processabilidade.

Texto completo:

PDF


Creative Commons License
A Revista Virtual de Química está licenciada sob as condições do Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Compartilhamento pela mesma Licença 2.5 Brasil License. Sob esta licença, a RVQ permite que seu conteúdo seja copiado, distribuído, exibido e executado desde que os devidos créditos à Revista e aos autores sejam dados. Contudo, o usuário não poderá utilizar o conteúdo com finalidades comerciais, a menos que obtenha permissão da Editoria da Revista.
Visitantes Online