Luz e o Desenvolvimento da Indústria da Química Orgânica Desde a Antiguidade

Maria Cecília B. V. de Souza, Maria Fernanda V. da Cunha, Nelson Angelo de Souza

Resumo


O espectro eletromagnético, que tem origem na luz solar, se constitui em uma mistura de radiações eletromagnéticas cuja energia se propaga como ondas descrita em termos de partículas chamadas de fótons. A manifestação de cor pelas substâncias orgânicas está associada às transições eletrônicas. Em geral, as substâncias  orgânicas coloridas tem como características estruturais sistemas altamente conjugados que absorvem luz na região  do  visível. As cores, que se manifestam tão somente sob a influência da luz sempre exerceram um encanto todo especial sobre o homem.  A existência dos corantes, substâncas capazes de transferirem cor aos materiais, data de 4000 anos a.C.  Três Corantes  de origem vegetal e animal foram muito importantes na antiguidade:  o índigo; a púrpura e a alizarina (garança). O primeiro corante sintético, a mauveína, foi obtido casualmente pelo químico inglês William Henry Perkin, em 1856. A obtenção do primeiro corante sintético foi de importância única para o desenvolvimento da indústria química moderna de corantes e também têxtil a qual cresceu atrelada à indústria dos corantes. Estes fatos foram importantes para o desenvolvimento da indústria dos fármacos através das indústrias BASF, Bayer e AGFA (Aktiengesellschaft für Anilinfabrikation).  A partir de então foi também dada a largada para a expansão das indústrias químicas, em especial da química orgânica, surgindo assim indústrias de produtos diversos como de materiais de perfumaria, explosivos, tintas para pinturas, canetas e impressão, pesticidas, plásticos, etc. Cores, corantes naturais, corantes artificiais, indústrias têxteis e de corantes, indústrias farmacêuticas, indústrias químicas produtoras de materiais diversos: interligações inquestionáveis! A luz? Na origem de tudo: a propulsora!

 

DOI: 10.5935/1984-6835.20150006


Palavras-chave


Luz; Cor; Corantes; Indústria Química.

Texto completo:

PDF

Comentários sobre o artigo

Visualizar todos os coment?rios


Creative Commons License
A Revista Virtual de Química está licenciada sob as condições do Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Compartilhamento pela mesma Licença 2.5 Brasil License. Sob esta licença, a RVQ permite que seu conteúdo seja copiado, distribuído, exibido e executado desde que os devidos créditos à Revista e aos autores sejam dados. Contudo, o usuário não poderá utilizar o conteúdo com finalidades comerciais, a menos que obtenha permissão da Editoria da Revista.
Visitantes Online