Incorporação de Ácido Alfa-linolênico (18:3n-3) em Surubim-do-Iguaçu (Steindachneridion melanodermatum)

Ana Beatriz Zanqui, Deoclécio José Barilli, Suellen Andressa O. Ribeiro, Aldi Feiden, Wilson Rogério Boscolo, Sandra Terezinha M. Gomes, Makoto Matsushita

Resumo


Cento e oitenta peixes de água doce, Surubim-do-Iguaçu, foram distribuídos em três tanques-rede e alimentados durante 25 e 50 dias com ração controle, à base de óleo de soja, e ração suplementada com óleo de linhaça, rico em ácido graxo 18:3n-3. O objetivo deste trabalho foi avaliar a incorporação de ácido 18:3n-3 no decorrer do experimento. Os lipídios totais foram extraídos e seus ácidos graxos separados em cromatógrafo à gás acoplado a detector de ionização em chama e quantificados. Os peixes alimentados com ração suplementada com óleo de linhaça incorporaram ácido alfa-linolênico em seu filé, aumentando a quantidade desse ácido graxo após 50 dias de alimentação, de 9,76 mg.g-1 no tempo zero para 20,64 mg.g-1 de LT no final no experimento. A melhor razão n-6/n-3 encontrada foi nos filés com 50 dias e alimentação com linhaça, 4,45. Assim, conclui-se que a adição de óleo de linhaça as rações traz incorporação e melhoria no perfil de ácidos graxos em filés de Surubim do Iguaçu.

 

DOI: 10.5935/1984-6835.20150119


Palavras-chave


Óleo de linhaça; ácidos graxos ômega 3; incorporação.

Texto completo:

PDF


Creative Commons License
A Revista Virtual de Química está licenciada sob as condições do Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Compartilhamento pela mesma Licença 2.5 Brasil License. Sob esta licença, a RVQ permite que seu conteúdo seja copiado, distribuído, exibido e executado desde que os devidos créditos à Revista e aos autores sejam dados. Contudo, o usuário não poderá utilizar o conteúdo com finalidades comerciais, a menos que obtenha permissão da Editoria da Revista.
Visitantes Online