Tratamento Eletrolítico da Água de Produção da Indústria de Petróleo: Sustentabilidade Ambiental e Pensamento Complexo

Alexandre A. Cerqueira, Paulo Sergio A. Souza, Daniela B. Souza, Monica Regina C. Marques

Resumo


Com a crescente demanda por petróleo e seus derivados é gerado um volume cada vez maior de água de produção, que antes de ser descartada precisa ser submetida a tratamento, de forma a cumprir os requisitos dos órgãos ambientais. O tratamento eletrolítico ou eletrofloculação tem se mostrado uma alternativa promissora para o atendimento à legislação ambiental, devido a sua versatilidade, competitividade e eficiência de remoção de óleos e graxas, DQO, cor e turbidez. Entretanto, devem ser considerados aspectos políticos, econômicos, sociais, ambientais e técnicos no desenvolvimento de tecnologias de tratamento da água de produção de forma a se contemplar o paradigma da sustentabilidade ambiental. Este paradigma requer uma abordagem pelo viés do pensamento complexo que envolve diferentes áreas do conhecimento, em diálogo, em oposição ao pensamento clássico, que é linear e cartesiano. Os princípios do pensamento complexo no conceito de sustentabilidade ambiental exemplificados pelo tratamento eletrolítico da água de produção da indústria de petróleo indicam que deve-se estar atento à repercussão das partes e no todo e do todo nas partes de forma a diminuir a probabilidade de serem gerados maiores problemas ambientais.

 

DOI: 10.5935/1984-6835.20140017


Palavras-chave


Sustentabilidade ambiental; pensamento complexo; eletrofloculação; água de produção.

Texto completo:

PDF


Creative Commons License
A Revista Virtual de Química está licenciada sob as condições do Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Compartilhamento pela mesma Licença 2.5 Brasil License. Sob esta licença, a RVQ permite que seu conteúdo seja copiado, distribuído, exibido e executado desde que os devidos créditos à Revista e aos autores sejam dados. Contudo, o usuário não poderá utilizar o conteúdo com finalidades comerciais, a menos que obtenha permissão da Editoria da Revista.
Visitantes Online