TERAPIA DE CAPTURA DE NÊUTRONS PELO BORO: UMA NOVA VISÃO SOBRE O TRATAMENTO DO CÂNCER

Mônica Freire Belian, Danielle Dias Neves, Wagner Eduardo Silva, Eudice Vilela

Resumo


Dentre as várias enfermidades que acometem a humanidade, o câncer é uma das doenças com maior dificuldade de ser tratada, sendo a segunda maior causa de morte em todo o mundo. Diante disso, novas formas de tratamento vêm sendo estudadas com o intuito de melhorar as condições de sobrevida dos portadores de câncer, ou até mesmo levá-los à cura. Uma forma nova de tratamento que vem recebendo destaque é a Terapia de Captura de Nêutrons pelo Boro, do inglês BNCT - Boron Neutrons Capture Therapy. A BNCT é um tratamento binário que consiste na administração de compostos contendo o nuclídeo de 10B com subseqüente irradiação de nêutrons epitérmicos na região tumoral. O princípio da BNCT foi primeiramente proposto em 1936, mas somente entre os anos de 1951 e 1961 que a terapia foi testada em pacientes humanos. Os primeiros testes com o tetraborato de sódio não obtiveram resultados satisfatórios e devido a isso a terapia foi desconsiderada para o tratamento do câncer. Na década de 1990, novos testes com os compostos borocaptato de sódio (BSH - Na2B12H11SH) e a borofenilalanina (BPA) apresentaram resultados em ensaios clínicos motivadores, e devido a esses esforços, compostos mais eficientes foram produzidos para a BNCT. O presente artigo descreve os princípios básicos da BNCT, histórico e perspectivas em pesquisa no Brasil e no Mundo.

Palavras-chave


Câncer, BNCT, Compostos de boro, Física Nuclear, Glioma, Radioterapia



Creative Commons License
A Revista Virtual de Química está licenciada sob as condições do Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Compartilhamento pela mesma Licença 2.5 Brasil License. Sob esta licença, a RVQ permite que seu conteúdo seja copiado, distribuído, exibido e executado desde que os devidos créditos à Revista e aos autores sejam dados. Contudo, o usuário não poderá utilizar o conteúdo com finalidades comerciais, a menos que obtenha permissão da Editoria da Revista.
Visitantes Online