Contaminação na Baía de Todos os Santos

Gisele O. da Rocha, Aline L. N. Guarieiro, Jailson B. de Andrade, Gilmara F. Eça, Nádia M. Aragão, Rosane M. Aguiar, Maria das Graças A. Korn, Geysa B. Brito, Carlos W. N. Moura, Vanessa Hatje

Resumo


A Baía de Todos os Santos (BTS) é a segunda maior baía costeira do Brasil, em que ocupa uma área de 1.233 km2 e 184 km de perímetro de costa. O entorno da BTS compreende uma área urbana, incluindo Salvador, com mais de 3 milhões de habitantes e uma extensa zona industrial. O foco deste trabalho está sobre a contaminação química da atmosfera e do sistema costeiro marinho da BTS, discutindo as principais fontes de diferentes compostos encontrados. Em várias regiões da BTS o material particulado atmosférico, material particulado em suspensão, sedimentos e biota encontram-se enriquecidos por elementos traço (As, Cd, Pb, Zn, Hg, Mn, Co, Cu, Sb, dentre outros) e por contaminantes orgânicos (n-alcanos e HPA) em níveis de concentração acima do considerado “natural”. Logo, as contribuições antrópicas (descargas de efluentes industriais e domésticos, extração de petróleo e gás, processos de geração de energia, emissão veicular e atividades portuárias) contribuíram para os níveis ambientais dos contaminantes estudados até o presente momento.

 

DOI: 10.5935/1984-6835.20120045


Palavras-chave


Contaminantes; metais; hidrocarbonetos; atmosfera; sedimento; biota; Baía de Todos os Santos.

Texto completo:

PDF


Creative Commons License
A Revista Virtual de Química está licenciada sob as condições do Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Compartilhamento pela mesma Licença 2.5 Brasil License. Sob esta licença, a RVQ permite que seu conteúdo seja copiado, distribuído, exibido e executado desde que os devidos créditos à Revista e aos autores sejam dados. Contudo, o usuário não poderá utilizar o conteúdo com finalidades comerciais, a menos que obtenha permissão da Editoria da Revista.
Visitantes Online