O papel das Terras Pretas de Índio no Antropoceno

Ricardo E. Santelli

Resumo


Os solos da Região Amazônica costumam ser altamente intemperizados e pouco férteis. Contudo, nesta mesma região são encontrados solos arqueológicos denominados Terra Preta de Índio, que possuem elevadas concentrações de nutrientes minerais e matéria orgânica estável. Recentemente, Certini e Scalenghe propuseram que o Antropoceno teria começado em 2000 anos BP, tendo como base o uso de solos antrópicos como Golden Spikes do Antropoceno, com especial destaque para as Terras Pretas de Índio. Este estudo tem como objetivo comparar as características de Terras Pretas de Índio e Argissolos típicos da Amazônia Central e avaliar o papel destes solos arqueológicos nas questões pertinentes ao Antropoceno. Embora todos os solos tenham sido reconhecidos como distróficos as Terras Pretas de Índio refletiram à sua pedogênese mais complexa, na qual processos naturais e antrópicos agem conjuntamente, ao contrário dos Argissolos. No âmbito do Antropoceno, as Terras Pretas de Índio podem ser consideradas como excelentes marcadores ambientais que indicam o início e a extensão de longa duração das atividades humanas pré-Colombianas na Região Amazônica, mas não possuem a características estratigráficas necessárias para serem consideradas como adequados Golden Spikes do Antropoceno.

Palavras-chave


Terra Preta de Índio, Golden Spike do Antropoceno, Solos Antrópicos, Carbono Pirogênico.

Coment?rios sobre o artigo

Visualizar todos os coment?rios


Creative Commons License
A Revista Virtual de Química está licenciada sob as condições do Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Compartilhamento pela mesma Licença 2.5 Brasil License. Sob esta licença, a RVQ permite que seu conteúdo seja copiado, distribuído, exibido e executado desde que os devidos créditos à Revista e aos autores sejam dados. Contudo, o usuário não poderá utilizar o conteúdo com finalidades comerciais, a menos que obtenha permissão da Editoria da Revista.
Visitantes Online