ESPECTROSCOPIA NO INFRAVERMELHO FT IR E DIFRATOMETRIA DE RAIOS-X APLICADA NO ACOMPANHAMENTO DO PROCESSO DE POLIMERIZAÇÃO DO ÓLEO DE ANDIROBA

Wilson Botelho do Nascimento Filho

Resumo


O objetivo deste trabalho foi caracterizar o biopolímero obtido a partir do óleo de Andiroba (Carapa guianensis Aublet) por aquecimento na presença de oxigênio, sem qualquer tratamento adicional, por espectroscopia de absorção no infravermelho FTIR e difração de raios-X. Espectros de infravermelho mostraram mudanças nas bandas de absorção de 1300 a 1000 cm-1 para (CO), 1712,79 a 1745,58 cm-1 (C = O), e desaparecimento da banda de absorção em 721,38 cm-1, deformações planas dos grupos sC-H) e a 3005.10 cm-1 para a banda de deformação axial de H-C=), sendo possível que estas alterações sejam devidas ao aumento progressivo do grau de polimerização do óleo devido ao aumento de ligações cruzadas e diminuição sistemática das ligações duplas. Através do difratograma do polímero obtido, foi possível caracterizá-lo como um sólido amorfo, um estado característico dos materiais poliméricos sob as condições experimentais utilizadas.

Palavras-chave


Oxipolimerização, Carapa guianensis Aublet, biopolímeros, óleos vegetais

Comentários sobre o artigo

Visualizar todos os comentários


Creative Commons License
A Revista Virtual de Química está licenciada sob as condições do Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Compartilhamento pela mesma Licença 2.5 Brasil License. Sob esta licença, a RVQ permite que seu conteúdo seja copiado, distribuído, exibido e executado desde que os devidos créditos à Revista e aos autores sejam dados. Contudo, o usuário não poderá utilizar o conteúdo com finalidades comerciais, a menos que obtenha permissão da Editoria da Revista.
Visitantes Online