Resíduos lignocelulósicos da bananicultura: uma revisão sobre os processos químicos de extração da celulose

Nathan Roberto Lohn Pereira, Felipe Eduardo dos Anjos, Raquel Faverzani Magnago

Resumo


A bananicultura é geradora de grande quantidade de resíduos lignocelulósicos. No Brasil, quinto maior produtor mundial de banana, a maioria desses resíduos são abandonados nas plantações, sendo meios de proliferação de vetores e fontes de gases nocivos ao meio ambiente. A extração da celulose é uma importante alternativa para atribuir-se maior valor agregado a esses resíduos, promovendo seu reaproveitamento. O processo de extração da celulose envolve a remoção dos materiais amorfos (hemicelulose e lignina) dos materiais lignocelulósicos. Assim, esse estudo propôs identificar processos de extração da celulose, objetivando auxiliar no avanço de pesquisas científicas e projetos que promovam a utilização da celulose presente nesses resíduos. Para tanto, foi realizado uma pesquisa bibliométrica nas bases de dados Science Direct e Springer. Na análise do material identificou-se que o processo utilizado para a fragmentação da hemicelulose e da lignina é a hidrólise (alcalina, ácida e enzimática), em condições controladas.
Palavras-chave: Resíduos Lignocelulósicos; Celulose; Hidrólise.

Palavras-chave


bananicultura; celulose; resíduos lignocelulósicos; hidrólise



Creative Commons License
A Revista Virtual de Química está licenciada sob as condições do Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Compartilhamento pela mesma Licença 2.5 Brasil License. Sob esta licença, a RVQ permite que seu conteúdo seja copiado, distribuído, exibido e executado desde que os devidos créditos à Revista e aos autores sejam dados. Contudo, o usuário não poderá utilizar o conteúdo com finalidades comerciais, a menos que obtenha permissão da Editoria da Revista.
Visitantes Online