Obtenção de aditivo para querosene de aviação através de coproduto da indústria sucroalcooleira.

Jonathan Baumi

Resumo


A indústria da aviação consome cerca de 177 bilhões de litros de querosene, movimentando mais de 25.000 aeronaves e 6 bilhões de passageiros. Para isso a aviação civil gerou em 2015 cerca de 781 milhões de toneladas de CO2 correspondendo a 2% toda emissão antrópica desse gás estufa sendo que toda energia requerida é oriunda de fontes fósseis. Esse trabalho tem como objetivo sintetizar o 2-isopropil-5-metil-2-hexen-1-ol a partir do óleo fúsel, um coproduto da indústria sucroalcoleira, para a substituição parcial do querosene de aviação. O aditivo obtido misturado em teores de 3%, 5% e 10% no querosene Jet A1 (QAV-1) exibiu propriedades de viscosidade (1,78 mm2.s-1), ponto de fulgor (> 40 °C) e desempenho a frio superiores (< -54 °C) as normas internacionais vigentes, além de uma potencial biodegradabilidade superior ao querosene fóssil e um poder calorífico estimado na mistura compatíveis ao requeridos pela ANP n°37.

Palavras-chave


aviação;biomassa; querosene;biocombustível



Creative Commons License
A Revista Virtual de Química está licenciada sob as condições do Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Compartilhamento pela mesma Licença 2.5 Brasil License. Sob esta licença, a RVQ permite que seu conteúdo seja copiado, distribuído, exibido e executado desde que os devidos créditos à Revista e aos autores sejam dados. Contudo, o usuário não poderá utilizar o conteúdo com finalidades comerciais, a menos que obtenha permissão da Editoria da Revista.
Visitantes Online