Polissacarídeo sulfatado da esponja marinha Callyspongia vaginalis

Renata Mendonça Araújo

Resumo


A literatura apresenta diversos resultados de investigações químicas em ecossistemas marinhos, que têm apresentado moléculas com grande potencial biológico, por isso, sua fauna e flora tem sido alvo de diversos estudos. Dentre os organismos marinhos destacam-se as esponjas, animais sésseis, antigos, pertencentes ao filo porífera, fonte profícua de micromoléculas e macromoléculas como os polissacarídeos, com diversas atividades biológicas relatadas na literatura. A investigação química de Callyspongia vaginalis levou ao isolamento de um polissacarídeo sulfatado. Experimentos de hidrólise, de açúcares redutores, estabilidade térmica e infravermelho foram realizadas para caracterização do polissacarídeo. O tempo ideal para hidrólise foi de 6 horas, apresentando uma concentração de 4,60 mg/mL de açúcar redutor. O polissacarídeo apresentou estabilidade térmica até cerca de 200 °C. Este é o primeiro relato de polissacarídeo no gênero Callyspongia.

Palavras-chave


Callyspongia vaginalis; Polissacarídeo sulfatado; análise de polissacarídeo.

Comentários sobre o artigo

Visualizar todos os coment?rios


Creative Commons License
A Revista Virtual de Química está licenciada sob as condições do Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Compartilhamento pela mesma Licença 2.5 Brasil License. Sob esta licença, a RVQ permite que seu conteúdo seja copiado, distribuído, exibido e executado desde que os devidos créditos à Revista e aos autores sejam dados. Contudo, o usuário não poderá utilizar o conteúdo com finalidades comerciais, a menos que obtenha permissão da Editoria da Revista.
Visitantes Online