Estudo da Acidez Naftênica e Potencial Corrosivo de Petróleos Brasileiros por ESI(-) FT-ICR MS

Laercio Lopes Martins, Pollyana Ferreira da Silva, Georgiana Feitosa da Cruz, Marcos Albieri Pudenzi, Marcos Nogueira Eberlin, Carlos Alberto da Silva Riehl, Djalma Souza

Resumo


Nos últimos anos grande parte das reservas de petróleo descobertas no Brasil, com exceção das grandes reservas do pré-sal, bem como em todo o mundo, compreendem óleos de baixo grau API e de alto número de acidez total (Total Acid Number, TAN). Os ácidos naftênicos são os principais compostos responsáveis por esta elevada acidez, o que leva a muitos problemas na indústria petrolífera, tais como a corrosão durante o processo de produção. Neste contexto, o objetivo deste trabalho foi avaliar a acidez naftênica e o potencial corrosivo de 35 amostras de óleos brasileiros utilizando a abundância relativa da classe O2 obtida por espectrometria de massas de ressonância ciclotrônica de íons com transformada de Fourier (FT-ICR MS) acoplada a uma fonte de ionização por electrospray (ESI) no modo negativo, correlacionando-a com o número de acidez total (TAN) e a taxa de corrosão em um tipo de aço inoxidável comumente utilizado em torres de destilação de refinarias de petróleo. Foi observada uma baixa relação entre a abundância da classe O2 e o TAN, provavelmente devido a compostos de outras classes heteroatômicas que podem ter contribuído para a acidez total. Além disso, neste estudo a %O2 se mostrou mais coerente para avaliar a corrosividade dos petróleos avaliados do que o TAN, baseando-se nos testes de corrosão com cupons do aço 316L.

Palavras-chave


petróleo; ácidos naftênicos; corrosão; petroleômica; FT-ICR MS

Comentários sobre o artigo

Visualizar todos os coment?rios


Creative Commons License
A Revista Virtual de Química está licenciada sob as condições do Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Compartilhamento pela mesma Licença 2.5 Brasil License. Sob esta licença, a RVQ permite que seu conteúdo seja copiado, distribuído, exibido e executado desde que os devidos créditos à Revista e aos autores sejam dados. Contudo, o usuário não poderá utilizar o conteúdo com finalidades comerciais, a menos que obtenha permissão da Editoria da Revista.
Visitantes Online