Utilização de resíduo sólido de Estação de Tratamento de Água (lodo), como matéria prima para confecção de elementos da construção civil

Vânia Palmeira Campos

Resumo


Resumo: Para transformar água bruta em água potável, estações de tratamento podem utilizar o processo convencional de tratamento, o que forma resíduos, chamados de lodo. A disposição final do lodo gerado constitui, atualmente, um dos principais passivos ambientais do setor de saneamento. O resíduo gerado na Estação de Tratamento de água Vieira de Mello (ETA-VM), em Salvador Bahia, Brasil, foi caracterizado neste trabalho, com o objetivo de usá-lo na fabricação de materiais de construção, em proporção adequada, sem riscos aos usuários e ao ambiente. Blocos construídos de cimento, areia, água e lodo seco foram submetidos a testes de resistência à compressão, absorção de umidade e lixiviação. Os seguintes resultados foram encontrados: fbk = 7,8 Mpa; 11,9% de absorção de umidade e as seguintes concentrações de elementos traço: < 0,035 mg L-1 As, < 0,020 mg L-1 Cd, < 0,20 mg L-1 Pb, < 0,070 mg L-1 Cr, < 1,2 mg L-1 Al, < 0,020 mg L-1 Be < 0,30 mg L-1 V. Os resultados, segundo normas brasileiras, comprovaram a adequação do lodo para aquele uso. A tecnologia identificada para a destinação final do resíduo gerado na ETA-VM é econômica e ambientalmente adequada e pode ser estendida para outras Estações de Tratamento de Água.


Palavras-chave


Lodo de Estação de tratamento de água; Resíduo sólido; Elementos da Construção civil.



Creative Commons License
A Revista Virtual de Química está licenciada sob as condições do Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Compartilhamento pela mesma Licença 2.5 Brasil License. Sob esta licença, a RVQ permite que seu conteúdo seja copiado, distribuído, exibido e executado desde que os devidos créditos à Revista e aos autores sejam dados. Contudo, o usuário não poderá utilizar o conteúdo com finalidades comerciais, a menos que obtenha permissão da Editoria da Revista.
Visitantes Online