A Biomassa da Laranja e seus Subprodutos

Ljubica Tasic

Resumo


O Brasil é o maior produtor de laranja no mundo e gera, anualmente, cerca de dez milhões de toneladas de resíduos (bagaço) que são subutilizados. Essa biomassa apresenta grande quantidade de carboidratos que podem ser aproveitados através da sua hidrólise, utilizando coquetéis de enzimas de baixo custo. As enzimas isoladas da bactéria Xanthomonas axonopodis pv. citri foram empregadas no processo hidrolítico do bagaço de laranja, pois compõem um coquetel enzimático com atividade de celulases (8 FPU mL-1) e pectinases (58 Ug-1), evitando o uso de  enzimas comerciais, as quais envolvem maiores custos operacionais. Outra etapa do processo biotecnológico, denominada fermentação em coculturas, garantiu a produção do etanol 2G de bagaço com cerca de 100% de conversão de açúcares livres. Além disso, foram isoladas a partir do bagaço, a hesperidina e a nanocelulose, outros produtos de valor agregado. A hesperidina (1,2 % de rendimento) foi obtida em duas etapas, por extração líquido-sólido e purificação, enquanto a nanocelulose (1,4 % de rendimento) foi obtida através de etapas de extração, branqueamento e nanonização.


Palavras-chave


Bagaço de laranja industrial; etanol 2G; glicosil hidrolases; hesperidina e nanocelulose.

Comentários sobre o artigo

Visualizar todos os coment?rios


Creative Commons License
A Revista Virtual de Química está licenciada sob as condições do Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Compartilhamento pela mesma Licença 2.5 Brasil License. Sob esta licença, a RVQ permite que seu conteúdo seja copiado, distribuído, exibido e executado desde que os devidos créditos à Revista e aos autores sejam dados. Contudo, o usuário não poderá utilizar o conteúdo com finalidades comerciais, a menos que obtenha permissão da Editoria da Revista.
Visitantes Online