Composição química e atividade acaricida dos óleos essenciais de Peperomia pellucida Kunth. contra Tetranychus urticae

Jose Candido Selva de Oliveira, Claudio Augusto Gomes da Camara, Roberta Claudia S. Neves, Priscilla da Silva Botelho

Resumo


Os óleos essenciais obtidos por hidrodestilação das folhas e caules de Peperomia pellucida coletadas de um fragmento de Mata Atlântica no estado da Bahia, Brasil, foram analisados utilizando cromatografia gasosa e cromatografia gasosa-espectrometria de massa. Independentemente da parte da planta, sesquiterpenos foram a classe de compostos mais abundantes nos óleos, seguido de fenilpropanóides. Os principais constituintes do óleo das folhas foram ?-gurjuneno (11,34%), 1,10-di-epi-cubenol (11,27%), (E)-cariofileno (8,71%) e dillapiole (8,50%), enquanto que carotol (9,77%), dillapiole (9,18%), trans-?-guaieno (9,05%) e (E)-cariofileno (8,53%) foram os principais constituintes do óleo de caule. A atividade dos óleos contra Tetranychus urticae foi avaliada por 24 h. O óleo do caule (LC50 = 1 x 10-2 µL/L of air) foi quatro vezes mais tóxico do que o óleo de folha (LC50 = 4 x 10-2 µL/L of air), mas 2,5 vezes menos ativo do que o eugenol, o qual foi utilizado como o controle positivo.


Palavras-chave


Peperomia pellucida; Tetranychus urticae; sesqueterpeno; fenilpropanoide; ?-gurjunene; carotol.

Comentários sobre o artigo

Visualizar todos os coment?rios


Creative Commons License
A Revista Virtual de Química está licenciada sob as condições do Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Compartilhamento pela mesma Licença 2.5 Brasil License. Sob esta licença, a RVQ permite que seu conteúdo seja copiado, distribuído, exibido e executado desde que os devidos créditos à Revista e aos autores sejam dados. Contudo, o usuário não poderá utilizar o conteúdo com finalidades comerciais, a menos que obtenha permissão da Editoria da Revista.
Visitantes Online