Complexos de Platina(II) na Terapia do Câncer

Amanda P. Neves, Maria D. Vargas

Resumo


A busca de complexos de platina para o tratamento do câncer teve início com a descoberta das propriedades citotóxicas da cisplatina no final dos anos 60. Até o momento, mais de 20 compostos entraram em testes clínicos, mas somente 6 foram aprovados para uso comercial. O mecanismo de ação da cisplatina baseia-se na sua ligação covalente com o DNA, o que interfere nos processos de transcrição e replicação celular, levando à apoptose. No entanto, sua alta eficácia é limitada por uma série de efeitos colaterais e mecanismos de resistência associados à sua administração, o que motiva a busca por novos análogos de platina, incluindo complexos "não-tradicionais", como por exemplo, derivados trans, compostos polinucleares, híbridos e complexos de platina(IV). Além disso, diversas formulações baseadas em sistemas de veiculação de drogas têm sido usadas no intuito de carrear os fármacos de platina até o seu alvo, aumentando sua seletividade, acúmulo na célula e, consequentemente, sua atividade citotóxica.

 

DOI: 10.5935/1984-6835.20110023


Palavras-chave


Cisplatina; Platina(II); Atividade citotóxica

Texto completo:

PDF


Creative Commons License
A Revista Virtual de Química está licenciada sob as condições do Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Compartilhamento pela mesma Licença 2.5 Brasil License. Sob esta licença, a RVQ permite que seu conteúdo seja copiado, distribuído, exibido e executado desde que os devidos créditos à Revista e aos autores sejam dados. Contudo, o usuário não poderá utilizar o conteúdo com finalidades comerciais, a menos que obtenha permissão da Editoria da Revista.
Visitantes Online