Quimioterapia Antileishmania: Uma Revisão da Literatura

Mônica Macedo Bastos, Núbia Boechat, Lucas Villas Bôas Hoelz, Andressa Paula de Oliveira

Resumo


Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), a leishmaniose é uma das principais doenças tropicais, apresentando-se em quatro tipos de manifestações clínicas, das quais a leishmaniose visceral (LV) é a forma mais grave, podendo ser letal. Até o momento, não há uma vacina, tornando a quimioterapia a única forma de tratamento, apesar de apresentar sérias limitações. Várias estratégias têm sido empregadas para melhorar a quimioterapia desta doença, tais como, o uso de combinações de fármacos já existentes e o desenvolvimento de novos fármacos. Para o sucesso no desenvolvimento de novos agentes leishmanicidas torna-se essencial o conhecimento da Química Medicinal dos fármacos empregados no tratamento da leishmaniose. Desta forma, esta revisão teve como objetivo analisar a terapia atual, através dos conceitos da Química Medicinal, bem como os processos sintéticos para obter estes fármacos.


Palavras-chave


leishmaniose; antimoniais pentavalentes; anfotericina B; pentamidina; miltefosina; paromomicina



Creative Commons License
A Revista Virtual de Química está licenciada sob as condições do Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Compartilhamento pela mesma Licença 2.5 Brasil License. Sob esta licença, a RVQ permite que seu conteúdo seja copiado, distribuído, exibido e executado desde que os devidos créditos à Revista e aos autores sejam dados. Contudo, o usuário não poderá utilizar o conteúdo com finalidades comerciais, a menos que obtenha permissão da Editoria da Revista.
Visitantes Online