Oxidação do Benzo(a)pireno em matrizes aquosas por magnetita dopada com cobalto combinada com peroxido de hidrogenio

Maria de Fátima Fontes Lelis, Luciana Brunhara Biazati, Thamyres Fernandes M. Moreira, Renato Rodrigues Neto, Agostinho Lelis Teixeira, Marcos Benedito José Geraldo de Freitas

Resumo


Os hidrocarbonetos policíclicos aromáticos (HPAs), derivados de petróleo, são substâncias cada vez mais preocupantes aos órgãos ambientais devido ao seu caráter tóxico, carcinogênico e mutagênico. A preocupação com a contaminação da água e a consequente exposição humana tem estimulado o desenvolvimento de novos métodos para a remoção dos HAPs. O objetivo deste trabalho foi estudar a viabilidade de um processo de degradação de benzo(a)pireno em matrizes aquosas por oxidação com reagente de Fenton e utilização de magnetita pura e dopada (com Co substituíndo íons Fe2+) e peróxido de hidrogênio. De modo a comparar os dois tipos de magnetita, o benzo(a)pireno foi degradado utilizando CG/EM para avaliar a sua concentração. Sob as melhores condições experimentais: pH = 6.0; dose de H2O2 = 0,3 molL-1; o benzo(a)pireno 4,0 mgL-1 e magnetita = 30 mg, que foi possível remover cerca de 53,0%, da cor inicial em 300 minutos de  reação 25oC. Este estudo mostrou que a degradação do benzo(a)pireno pelo reagente de Fenton é um processo viável em matrizes de água, na concentração de ferro e peróxido de hidrogênio presentes em concentrações adequadas.


Palavras-chave


Fenton; PAHs; benzo(a)pireno; magnetita; cobalto



Creative Commons License
A Revista Virtual de Química está licenciada sob as condições do Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Compartilhamento pela mesma Licença 2.5 Brasil License. Sob esta licença, a RVQ permite que seu conteúdo seja copiado, distribuído, exibido e executado desde que os devidos créditos à Revista e aos autores sejam dados. Contudo, o usuário não poderá utilizar o conteúdo com finalidades comerciais, a menos que obtenha permissão da Editoria da Revista.
Visitantes Online