Constituintes Químicos e Atividade Citotóxica de Cnidoscolus phyllacanthus

Anderson C. Paula, Karina M. Melo, André M. da Silva, Daniele A. Ferreira, Francisco J. Q. Monte, Gilvandete M. P. Santiago, Telma L. G. Lemos, Raimundo Braz-Filho, Gardênia C. G. Militão, Paulo B. N. da Silva, Teresinha G. da Silva

Resumo


A reinvestigação química do extrato hexânico da casca do caule de Cnidoscolus phyllacanthus conduziu  ao isolamento de 3b-O-nanoil-lupeol (1), a mistura de 3b-O-cinamoil-lupeol (2) e 3b-O-diidrocinamoil-lupeol (3), lupeol (4), a mistura de sitosterol (5) e estigmasterol (6), deoxofavelina (7) e metil favelina (8). As estruturas dos compostos foram identificadas com base nos seus dados espectrais e por comparação com dados da literatura. Este é o primeiro relato de identificação de 3b-O-nanoil-lupeol (1) nesta espécie. Os compostos 1, 7, 8 e a mistura de 2 e 3   foram testados quanto à sua atividade citotóxica contra as linhagens celulares HL-60 (leucemia promielocítica humana), NCI-H292 (carcinoma de pulmão humano) e MCF-7 (adenocarcinoma de mama humano). O composto 7 foi o mais ativo entre todos os compostos testados, com valores de CI50  variando de 2,7 a 8,9 mg/mL.

 

DOI: 10.5935/1984-6835.20160015


Palavras-chave


Cnidoscolus phyllacanthus; Euphorbiaceae; terpenoides; favelina; Atividade citotóxica.

Texto completo:

PDF

Comentários sobre o artigo

Visualizar todos os coment?rios


Creative Commons License
A Revista Virtual de Química está licenciada sob as condições do Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Compartilhamento pela mesma Licença 2.5 Brasil License. Sob esta licença, a RVQ permite que seu conteúdo seja copiado, distribuído, exibido e executado desde que os devidos créditos à Revista e aos autores sejam dados. Contudo, o usuário não poderá utilizar o conteúdo com finalidades comerciais, a menos que obtenha permissão da Editoria da Revista.
Visitantes Online