Comportamento Eletrocrômico de Nanoestruturas de Óxido de Vanádio Sintetizadas por Melt Sonoquenching

Renato S. Oliveira, Sílvio Cesar de Oliveira, Odivaldo C. Alves, Felipe S. Semaan, Eduardo A. Ponzio

Resumo


Neste trabalho um novo procedimento de síntese do V2O5 usando a combinação de dois métodos tradicionais, melt quenching e sonoquímica, chamado de melt sonoquenching foi proposto. O nanomaterial produzido foi caracterizado por vários métodos visando verificar características físicas e químicas, e sua possível aplicação como material eletrocrômico. Imagens de microscopia eletrônica de varredura mostraram nanofibras de óxido de vanádio com comprimentos variando de 140 a 160 nm, e diâmetros variando de 10 a 15 nm. Estudos de difração de raios X revelaram uma estrutura amorfas com espaçamento interlamelar de 13,3 Å. A composição foi estimada por TGA, sugerindo que a composição do óxido de vanádio xerogel foi de V2O5.1.8H2O. Em adição a isto, caracterizações espectroeletroquímicas mostraram uma variação de transmitância de 45% em 410 nm, com uma persistência de coloração de 91,3%; tempos de resposta para oxidação e redução foram de respectivamente 1 s e 3,5 s. e a eficiência eletrocrômica foi de 55 cm2C-1 ao longo de 100 ciclos de mudanças de coloração entre azul-verde-laranja.

 

DOI: 10.5935/1984-6835.20150109


Palavras-chave


Eletrocromismo; eletrocrômico; V2O5; fusão sonoresfriamento, melt sonoquenching.

Texto completo:

PDF

Comentários sobre o artigo

Visualizar todos os coment?rios


Creative Commons License
A Revista Virtual de Química está licenciada sob as condições do Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Compartilhamento pela mesma Licença 2.5 Brasil License. Sob esta licença, a RVQ permite que seu conteúdo seja copiado, distribuído, exibido e executado desde que os devidos créditos à Revista e aos autores sejam dados. Contudo, o usuário não poderá utilizar o conteúdo com finalidades comerciais, a menos que obtenha permissão da Editoria da Revista.
Visitantes Online