Sol, Melanina e Câncer: o Bom, o Mau e o Feio

Etelvino José H. Bechara

Resumo


Recentemente demonstrou-se que a melanina - o pigmento da pele que nos protege da luz solar também é mutagênica mesmo 3-4 horas após exposição à irradiação UV. Dímeros ciclobutânicos de citosina-timina (CPDs), que iniciam mutações responsáveis por transversões C?T e carcinogênese foram detectados em melanócitos de camundongos pós-irradiados com UVA. Este processo envolve a participação de espécies reativas de oxigênio, particularmente peroxinitrito, e transferência de energia triplete-triplete de derivados excitados de melanina, gerados no escuro por um intermediário dioxetânico, para as pirimidinas de DNA. O estudo sugere a inclusão de antioxidantes e supressores de espécies tripletes na formulação de filtros solares para minimizar a formação de CPDs e assim proteger a pele contra melanomas.

 

DOI: 10.5935/1984-6835.20150085


Palavras-chave


Melanócito; UVA; dímerização de pirimidinas; fotoquímica no escuro.

Texto completo:

PDF

Comentários sobre o artigo

Visualizar todos os coment?rios


Creative Commons License
A Revista Virtual de Química está licenciada sob as condições do Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Compartilhamento pela mesma Licença 2.5 Brasil License. Sob esta licença, a RVQ permite que seu conteúdo seja copiado, distribuído, exibido e executado desde que os devidos créditos à Revista e aos autores sejam dados. Contudo, o usuário não poderá utilizar o conteúdo com finalidades comerciais, a menos que obtenha permissão da Editoria da Revista.
Visitantes Online